Rui Duarte

Marta Bastos

Silva

Aos 10 anos, a era das novas tecnologias ainda não tinha iniciado e o conhecimento vinha das coleções do Círculo de Leitores que o meu pai me oferecia… Sempre curiosa, no momento de fazer uma escolha, foi no Desporto que procurei formação específica. No entanto, isso não determinou o meu caminho… Na primeira exposição em Dezembro de 2017, percebi que não podia ser apenas a minha maior crítica, tinha de ser também aquela que se dispõe à crítica… Entre outros momentos, em 2018 surge a primeira grande exposição individual, no Conservatório de Música do Porto. No entanto, foi na Foz’arte 2019, no Forte de S. João, perto das ruas onde cresci, que vivi o momento mais especial até agora, quando uma das peças apresentadas venceu o primeiro prémio (Sun and Sea). Já em 2019, participei numa exposição coletiva na Associação Cultural QuadraSoltas, durante as Inaugurações Simultâneas de Miguel Bombarda. Sinto que neste momento, depois de todas as experiências, das aprendizagens, das indecisões e conquistas, só agora o caminho está a começar...