Raízes são, entre outras coisas: origem; parte oculta de qualquer coisa; orgão das plantas vasculares de fixação e absorção, normalmente subterrâneo; a parte da palavra primitiva em que reside o significado da ideia original.
[in Novo Dicionário da Língua Portuguesa, Texto Editores, Cacém, 2007, pp.1321].
A raiz de uma ideia será então, a origem dessa ideia. Mas, também o vínculo que se estabelece com a origem. É desse vínculo que me liga à origem, que nascem estes documentos gráficos. 
São trabalhos feitos de tempo, de ideias e de matérias.
A pertinência do tema prende-se com a intencionalidade assumida de me exprimir perante os meus concidadãos, nesta mudança dentro do meu percurso biográfico.
Emergem assim, as raízes que me vinculam aos seus conteúdos: claros nas suas formas, cores, ritmos e composição. São a representação do meu modelo sem recurso a metáforas.
O desenvolvimento das imagens resulta de um processo de trabalho continuado, onde os materiais se sujeitam ao depósito lento das minhas ideias, pensamentos e emoções.
“Não há machado que corte a raiz ao pensamento” - dizia o poeta.
Como se o pensamento fosse uma espécie de terra, de solo, de espaço por onde as raízes se ramificam com uma imensa liberdade, alimentadas pelas ideias da vida, do ser, do húmus rico do tempo.
Outubro de 2012
MariaAfonso

Maria

Afonso