“A terra nunca tornará a ser como era antes do desenvolvimento da espécie humana…. Mas o homem irá procurar integrar-se ainda melhor no seu planeta e, …, vai coevoluir com ela. Já não se tratará de parasitismo, mas antes de um verdadeira SIMBIOSE….O homem não é superior nem inferior ao planeta. Ele está integrado nele. Ele sabe que não poderia sobreviver sem o planeta, de que é, aparentemente, o produto mais elaborado. ureza para sobreviver. 
Ele “roubou-lhe” o fogo, arrancou-lhe os metais, domesticou o seu solo, planificou o seu espaço, explorou o seu 
subsolo, poluiu a sua atmosfera. Ele terá agora de compreender que, após a era da exploração, abre-se a da gestão e da protecção. À era do antagonismo, sucede a da HARMONIA….” 
In  Ecologie des villes, ecologie des champs de Claude Allègre, 1996. 

É do conhecimento de todos, que em pleno séc.XXI, a Terra continua a sofrer diáriamente com a poluição atroz 
a que o Homem, esse ser “superior”, a sujeita. Age insensatamente, segundo os cânones do modelo capitalista, 
como se os recursos do Planeta fossem sua propriedade e inesgotáveis.
Desta reflexão surgiu a necessidade de dar início a este projecto, que se iniciou em 2016, demonstrando em 
cada trabalho que  o ser humano pode viver em Harmonia e Simbiose com a Mãe Natureza, se a respeitar. 
Mais, eu diria que a beleza de que ela se reveste nos pode levar a momentos de introspeção e recolhimento para 
melhor conhecimento de nós próprios. É este o principal motivo do uso de materiais nobres 
(como folha de ouro e prata) nos meus trabalhos.
Finalmente e uma vez que a obra de Teixeira de Pascoaes  me serviu de inspiração,  partilho convosco estas belas e sábias palavras : “Um só homem possui todo o mundo, a lua enche de luar todo o mar…” in Marânus.

Fátima

Carvalho